domingo, 13 de setembro de 2009

PARAÍSO: O SUCESSO DO BRASIL SERTANEJO


A vida selvagem - o coronel

A mocinha de olhar brejeiro - isso é um Paraíso
Normalmente as novelas com temas focando a vida interiorana têm boa aceitação do público, haja vista novelas de grandes sucessos na televisão brasileira: Roque Santeiro, Rei do Gado, Pantanal, Pedra Sobre Pedra, Sinhá Moça, Cabocla, Mulheres de Areia, Irmãos Coragem e, atualmente, Paraíso comprovam o que estou dizendo. Inclusive Sinhá Moça, Cabocla, Mulheres de Areia, Irmãos Coragem já haviam sido sucesso de audiência na primeira versão e não foi diferente na segunda, e é justamente o que está acontecendo com Paraíso.
Com certeza há várias explicações para isso, mas dentre outras, a de que realmente o povo brasileiro tem um pé no interior. O Sociólogo Fernando Henrique Cardoso, quando ainda era presidente do Brasil, num discurso em Portugal falou que o brasileiro era um povo caipira, bastou para gerar uma grande polêmica, talvez até incentivado pela oposição partidária da época, porque as comprovações não deixam dúvidas. Ao falar isso não nos referimos de forma pejorativa, não querendo dizer que é um povo bobo, sem cultura ou que pode ser enganado facilmente com faz supor algumas piadinhas, até porque o nível das pessoas que moram no interior é cada vez melhor, tanto em questões culturais, sociais e financeiras, inclusive várias cidades interioranas, com frequencia são eleitas como os melhores lugares para se viver. As novelas e as músicas demonstram essa tendência, tanto que os maiores vendedores de CDs e DVDs, ou as músicas mais executadas são as chamadas sertanejas, inclusive em algumas cidades e capitais do país existem rádios que lideram a audiência tocando cem por cento de músicas sertanejas.
Podemos supor também que as pessoas moradoras em cidades grandes, com suas vidas agitadas, gostem de ver e se imaginar numa vida mais tranqüila, onde os relacionamentos e as amizades são mais intensos, tendo o contato frequente com vida no campo e estando em harmonia com a natureza.
Quando expomos esse assunto pode parecer apenas que queremos falar de novela, mas é interessante falarmos da cotidiano, da angustia e isolamento que as pessoas sofrem com a cidade grande, onde vizinhos moram muitos anos próximos e não se conhecem. Sabemos que muita gente gosta disso, pois gera a sensação de independência e que as pessoas cuidam menos da vida do outro, dando menos margens para conflitos e fofocas.
Esse é um assunto bom para discutir, cada um tem uma opinião, isso é maravilhoso, ninguém tem a verdade definitiva e o debate sereno faz com que nós possamos entender melhor o processo de se viver e conviver, afinal de contas, se temos que viver um estilo de vida, seja no interior ou nas grandes cidades, temos que entender que haverá vantagens e desvantagens, mas acima de tudo, nós construiremos nosso lugar e nossa história feliz, levando sempre boas lembranças e não sentindo eternamente saudosista.
Numa novela uma boa história, belas imagens ajudam muito a elevar a audiência, mas achar que só isso é o suficiente, é dizer que outras novelas, que não são ambientadas na vida interiorana, não as tenham. As novelas anteriores no mesmo horário tiveram média de audiência de 23%, já a novela Paraíso começou mal, até por conta do que havia recebido, mas logo começou subir e hoje está com a média é de 30%, talvez até por existir atualmente diversas novelas em outros canais retratando a vida tumultuada e agitada da cidade grande.
Toda boa novela ambientada em cidade interiorana deste país de proporção continental deve ter alguns ingredientes: as fofoqueiras, o moço da cidade grande, os políticos e a politicagem, o padre boa gente e comilão, a(s) beata(s), os botecos que servem de ponto de encontro, as histórias e lendas da região, os coronéis (que na maioria das vezes têm brigas pessoais antigas), os moços de botas, esporas e chapéus grandes, os cantadores ao redor de fogueiras em noite de lua, as mocinhas com olhares brejeiros, as figuras folclóricas da cidade e, não podendo faltar as belas imagens da região.
Na realidade o interior está impregnado no interior de cada uma de nós, é nossa volta, nem que seja por imagem, às nossas origens o que nos dá uma dose de alegria diária.
O moço da cidade e as fofoqueiras - A bela santinha
O peão apaixonado - O padre o dono do bar e o político
Os moços das botas e chapéus grandes - O bom padre comilão
ingredientes de uma boa novela interiorana

Um comentário:

sandra disse...

Até que enfim Achei você!!!!O texto me enche de vontades de morar num "pé -de - serra" e ouvir o Sérgio Reis cantando Casinha Branca. Plantar alguns goivos e passear entre bonecas de milhos orvalhadas.