domingo, 27 de maio de 2012

OS MAIORES CRIADORES DE PERSONAGENS BRASILEIROS

Infelizmente, boa parte dos brasileiros tem o costume de só valorizar o que vem de fora, o que é nosso não tem valor, para piorar se algo de ruim acontece logo vem o famigerado: - Só podia ser no Brasil! – Como se no mundo inteiro não acontecesse coisas boas e coisas ruins, evidentemente que não podemos deixar de ser críticos e nos espelharmos em coisas boas para que, a cada dia, possamos ter um país melhor, mas em contrapartida devemos sempre valorizar e ressaltar o que temos de bom, e como temos. Felizmente temos percebido um avanço na valorização do que é nosso, mas ainda falta muito e, um dos setores que há muito tempo já deveria estar mais valorizando são os de criadores de personagens. Conhecemos muito personagens da Walt Disney que realmente são bons: Mickey, Pateta, Pato Donald e companhia, mas no Brasil temos criadores de personagens que não ficam nada a dever ao mestre Walt Disney ou a Hanna e Barbera. Ao pensarmos na nossa infância encontramos Maurício de Souza, o criador da Turma da Mônica: Cebolinha, Cascão, Magali, Bidú, Chico Bento, Franginha e tantos outros que encantaram nossa infância e até hoje é sucesso. Temos também o grande Ziraldo, criador do Menino Maluquinho, Turma do Pererê e de inúmeros outros personagens que agradam tanto crianças como adultos. Não podemos esquecer-nos do pai de todos, o grande Monteiro Lobato, criador do Jeca Tatu, do Sitio do Pica-pau Amarelo; quem não leu, viu ou ouviu falar da boneca Emília, do Visconde de Sabugosa, da Narizinho, das caçadas de Pedrinho, da avó contadora de história Dona Benta e da cozinheira de mão cheia Tia Anastácia? É personagem com maior identidade com os nossos costumes, com o nosso dia a dia. Não pode ficar de fora o multifacetado Chico Anísio, o mestre do humor e dos personagens, afinal de contas foram mais de 200 personagens, todos com personalidade própria e com muito sucesso, aparentemente eles foram criados para os adultos, mas as crianças os adoravam se listarmos todos encherá páginas e páginas, mas não podemos esquecer-nos do Professor Raimundo e sua escolinha, Bozó, Silva o bonitinho, Bento Carneiro o vampiro brasileiro, Pantaleão – o contador de histórias, Alberto Roberto – o locutor, Justo Veríssimo – o político que odeia pobre e mais uma centena de personagens. Diante dessa pequena apresentação podemos ter noção do que temos, sem contar os inúmeros criadores de personagens que estão no nosso dia a dia através das tirinhas de jornais, de revistas, internet é encantador e de tirar o fôlego. Das próximas vezes que for presentear filhos e amigos com livros, revistinhas ou filmes dê preferência aos nossos criadores, assim, não só estaremos valorizando nossos produtos e nossos artistas, mas também estaremos abrindo novas oportunidade de trabalho e possibilitando que haja mais investimento, com isso nosso país melhora e nossa auto-estima também melhora. Mas ainda assim haverá o velho preconceito: - Mas nossos produtos são de qualidade inferior! – Digo que inferior é o preconceito desse pseudos brasileiros, afinal de contas, qualquer lançamento de filmes americanos conta com milhões e milhões de dólares, enquanto no Brasil ainda é feito de forma caseira, muito boa vontade, com pequena verba e contando com a desconfiança e pouco incentivo aos nossos produtos. Mas os pessimistas de plantão dirão: - Nada ver! – Mas eu digo: tudo a ver. Tanto que um exemplo claro é a boa série A Era do Gelo que é dirigida pelo brasileiro Carlos Saldanha que dirigiu também o mega sucesso Rio que também contou com direção do brasileiro, prova que criatividade nós temos, só nos falta dinheiro. De hoje em diante não fique no “ver para crer”, mas “creia para ver”, a partir do seu crédito é que tudo irá melhorar. Então, de votos de confiança para o que é nosso.
Maurício de Souza
Monteiro Lobato
Ziraldo

Chico Anísio

sexta-feira, 11 de maio de 2012

A ETERNA MAGIA DO CIRCO

Chegou um circo na minha cidade, um circo conhecido nacionalmente, não vou dizer o nome porque não estou ganhando nada com isso, e também não vem ao caso, mas a minhas crianças, um garoto de dez e um garota de quinze, vinham pedindo que queriam ir ao circo, o difícil é tempo na vida corrida, mas um aperta aqui, agenda ali, fomos. Há pelo menos três anos não íamos a um circo, a gente até esquece como é bom. Uma vez lá dentro começou o espetáculo e eu pude ver nos rostos das crianças, não só dos meus filhos, mas das outras crianças que ali estavam, a alegria, a descontração e o quanto estavam gostando. Eu que já deixei de ser criança há bom tempo, também estava adorando.
É a magia do circo, é o encantamento do espetáculo ao vivo e a cores. O povo deveria ir mais ao circo, é claro, aos bons circos, pois se analisarmos o custo benefício, em tempo de meia entrada, não é tão caro, contando que ali no circo você tem humor, drama, suspense, música e muita fantasia que, para ter tudo isso ao vivo, você teria que ir a diversos espetáculos diferentes.
Na minha infância eu fui várias vezes ao circo e sempre fiquei impressionado com a beleza e com a eficiência dos artistas de circo, eles erram muito pouco, arriscam a vida e, normalmente ganham mal, mas aparentam estarem sem´pre muito felizes. O que falar dos trapezistas, em diversos casos, sem rede de segurança, os equilibristas, os mágicos, os artistas do globo da morte, com bicicletas, motocicletas e, em muitos casos, motos e pessoas a pé lá dentro. Os palhaços, esses encantam, por mais que você conheça a piada ou a brincadeira, sempre acha graça. Atiradores de facas com olhos vendados, lançadores de chapéus que sempre voltam para as mãos ou direto para a cabeça do artista. Vendo aquele espetáculo, a eficiência dos artistas, fiquei pensando, porque os jogadores de futebol que ganham milhões de vezes mais, treinam todos os dias, não têm a mesma eficiência? Sem contar que após assistir um espetáculo circense agente fica pensando, mas o futebol também não é um espetáculo? E o que vemos são jogadores matando de canela, errando chutes grosseiramente, não conseguem cobrar uma falta que vá, ao menos, na direção do gol. Os jogadores não conseguem acertar um gol de sete metros de largura por três de altura, enquanto nos circos você vê artistas executando exercícios de alto grau de dificuldade e periculosidade com uma eficiência espantosa, sem contar que com um ingresso para um jogo você quase compra quatro entradas para um bom circo (crianças e outros mais pagam meia entrada).
Mas quero mesmo é falar de circo e digo, vale a pena, uma vez o outra, ir a um bom espetáculo circense, leve crianças e verá como elas voltam encantadas, e isso é que vale na vida, muitas vezes nós escolhemos programações que nos estressam, angustiam, temos que escolher programações que nos dê emoção, alegria e que preencha sempre a fantasia da criança que existe dentro de cada um de nós e que, ao abandoná-la, corremos o risco de nos tornarmos pessoas ranzinzas, estressadas, envelhecidas e muitas vezes, chatas.
A beleza, o encantamento e magia do circo devem permanecer, e, cabe a cada um de nós incentivar, mostrarmos às novas gerações que nada substitui os relacionamentos, o contato e as maravilhas que o ser humano pode realizar, e isso tudo ao vivo é muito bom, pois o espetáculo não pode parar.

video

OS LIVROS MAIS VENDIDOS DE TODOS OS TEMPOS E OS MELHORES LIVROS DE TODOS OS TEMPOS

Você se propôs a ler um bom livro, mas são tantos títulos que está em dúvida! Não quer perder tempo lendo livro ruim! Quer uma dica? Bem, o bom censo e a cautela, nos orienta a não propor a leitura de um livro e garantir que será do seu agrado, afinal de contas, gosto é totalmente particular, assim optamos por listar os considerados “melhores livros de todos os tempos”, e outra lista com “os livros mais vendidos de todos os tempos”, se não é garantia de que irá gostar, ao menos sugere que muita gente gostou e indicou o livro, o que aumenta a possibilidade de ser agradável, pois escrever um best-seller é uma coisa. Escrever um livro que vende mais de 50 milhões de cópias é outra completamente diferente. Esses autores quebraram o recorde de vendas de livros ou estão entre os indicados pelos críticos como os melhores, isso não é pouco. Assim organizamos duas listas: uma composta dos livros escolhidos pelos críticos como Os Melhores Livros de Todos os Tempos e a outra com os mais vendidos. Os livros, como filmes, nem sempre os mais vistos ou mais lidos são os ganhadores de prêmios. Então, faça a sua escolha e boa leitura.

OS LIVROS MAIS VENDIDOS DE TODOS OS TEMPOS
Editores da Publications International Ltd - traduzido por HowStuffWorks Brasil

1. A Bíblia - 6 bilhões  2. O Livro Vermelho -  Mao Zedong - 900 milhões   3. O Alcorão - 800 milhões   4. Xinhua Zidian (dicionário chinês) - 400  milhões  5. O Livro de Mórmon -  Joseph Smith Jr. - 120 milhões   6. Harry Potter e a Pedra Filosofal - J. K. Rowling - 107 milhões    7. E Não Sobrou Nenhum  - Agatha Christie -100 milhões   8. O Senhor dos Anéis - J.R.R. Tolkien 100 milhões   9. Harry Potter e o Enigma do Príncipe  - J. K. Rowling 65 milhões   10. O Código Da Vinci - Dan Brown  65 milhões   11. Harry Potter e a Câmara Secreta - J. K. Rowling 60 milhões  12. O Apanhador no Campo de Centeio - J. D. Salinger 60 milhões   13. Harry Potter e o Cálice de Fogo - J. K. Rowling 55 mi   lhões  14. Harry Potter e a Ordem da Fênix - J. K. Rowling  55 milhões 15. Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban -  J. K. Rowling 55 milhões  16. Ben Hur: Uma Narrativa de Cristo - Lew Wallace 50 milhões  17. O Alquimista - Paulo Coelho  50 milhões  18. Meu filho, meu tesouro  - Dr. Benjamin Spock 50 milhões  19. O Pequeno Príncipe - Antoine de Saint-Exupéry 50 milhões   20. A Marca do Zorro - Johnston McCulley: 50 milhões

OS MELHORES LIVROS DE TODOS OS TEMPOS
Editores da Publications International Ltd - traduzido por HowStuffWorks Brasil